Plano pioneiro e que cumpriu as regras: Inspeção arquiva inquérito à vacinação no CHULN

segunda-feira, 02 agosto 2021 12:13

O processo de inquérito da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde ao plano de vacinação contra a Covid-19 do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte foi arquivado, tendo a IGAS concluído que “da ação do CHULN, E.P.E. no processo de vacinação, não decorreu qualquer conduta ilícita, mas antes pôs-se em prática os princípios da beneficência, da equidade e do respeito aflorados no PV COVID-19, no que pode ser considerado, além da lógica do desperdício zero, como um procedimento dinâmico, evolutivo, de segurança do hospital e dos utentes”.

No relatório final do inquérito, a IGAS sublinha que o plano do CHULN permitiu vacinar entre o final de 2020 e o início de 2021 todos os profissionais prioritários que o quiseram ou se encontravam ao serviço da instituição. Após dia 7 de janeiro de 2021, estes profissionais já estavam inoculados com a primeira dose, pelo que se ativaram listas de profissionais de áreas de suporte com atividades de risco consideradas fundamentais ao funcionamento do hospital, atuação que a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde elogia e considera “pioneira e premonitória em relação ao que viria a ficar plasmado na Norma oo2/2021 da DGS, que, revista, incluiu na fase 1 os profissionais envolvidos na resiliência do sistema de saúde e de resposta à pandemia, e do Estado”.

Ao garantir a vacinação dos profissionais de suporte com maior exposição ao risco, logo a seguir à vacinação dos profissionais da saúde prioritários e envolvidos na prestação direta de cuidados, o CHULN conseguiu reduzir drasticamente as ausências de recursos humanos, “tornando assim possível a continuidade da prestação de cuidados, com os profissionais de saúde diretos e profissionais de áreas de suporte ativas”, conclui a IGAS.