Centro Hospitalar Lisboa Norte

CHLN E ULSLA REFORÇAM COOPERAÇÃO NA ÁREA DA REUMATOLOGIA

No dia 16 de março foi firmado, entre o Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN), Dr. Carlos das Neves Martins, e o Presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), Dr. Paulo Jorge Espiga, mais um Protocolo de Cooperação, desta vez na especialidade de Reumatologia, reforçando a afiliação, mantida com o CHLN, desde há dois anos a esta parte. 

O CHLN e a ULSLA já mantêm laços de cooperação desde junho de 2015, altura em que foi celebrado o primeiro protocolo de cooperação, na área de Imunohemoterapia, ao que se seguiu, em novembro de 2016, outros, nas especialidades de Pneumologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica e Anatomia Patológica. Na sequência dos excelentes resultados já obtidos na ULSLA e da capacidade instalada no CHLN, foi celebrado no dia 16 de março, mais um protocolo de cooperação, este para a área da Reumatologia. Na assinatura deste acordo estiveram presentes os membros dos dois Conselhos de Administração, o Diretor e a Administradora do Serviço de Reumatologia, respetivamente o Prof. Doutor João Eurico da Fonseca e a Dr.ª Patrícia Gonçalves.

O Presidente do Conselho de Administração do CHLN, Dr. Carlos José das Neves Martins, frisou que «Desde 2014, que a nossa instituição tem sido pioneira na utilização deste inovador modelo de parceria (afiliação), já inclusivamente seguido, e bem, por outras instituições congéneres. Colocamos em prática um modelo de cooperação entre instituições, estritamente centrado numa política de proximidade ao Cidadão e no qual os centros mais diferenciados e capacitados, conferem um apoio, também ele diferenciado, a outras entidades hospitalares mais pequenas, visando colmatar as suas dificuldades e carências e fortalecer a sua capacidade de resposta, incrementando uma “migração” positiva de profissionais para zonas mais carenciadas em termos de prestação de cuidados de saúde. Sabemos que foi um processo que inicialmente suscitou algumas dúvidas, interna e externamente, mas com o desenvolvimento, ora reforçado, na área da Reumatologia, na ligação já mantida com ULSLA, prova-se à evidência os proveitosos resultados alcançados, que nos causam grande felicidade e também reforçam o sentido de dever cumprido. É para nós extremamente gratificante contribuir para colmatar uma enorme lacuna existente, que priva todo o Alentejo, desde há 4 anos para cá, da especialidade de Reumatologia.»

O Presidente do CHLN não quis deixar de enaltecer a forma como os profissionais do CHLN têm sido recebidos na ULSLA e nas expectativas que deposita no estabelecimento de mais este protocolo: «Quero, desde já, agradecer a forma como ULSLA tem integrado e acolhido os nossos profissionais, que se sentem “em casa” e não escondo a enorme expetativa que tenho de que a Reumatologia reforce, ainda mais, esta dinâmica de trabalho de equipa, ao serviço do cidadão na sua área de residência e evitando deslocações de centenas de quilómetros até Lisboa».

O Diretor do Serviço de Reumatologia, Prof. Doutor João Eurico da Fonseca, acrescentou com satisfação que «No Serviço de Reumatologia estamos muito motivados com os laços de cooperação gerados. Considero de extrema importância o contato com os Médicos da Medicina Geral e Familiar, para alinhar critérios de referenciação e consequentemente, garantir de forma mais eficaz os procedimentos afetos às triagens».

O Presidente da ULSLA, Dr. Paulo Espiga, referiu que «Para nós, este Protocolo tem inúmeras mais-valias, sobretudo para os nossos utentes, que passarão a ter junto das suas residências e em proximidade, esta especialidade, evitando deslocações a Lisboa ou a Almada, o que resultará em poupanças em termos de tempo e de custos.» Continuando, disse que «Este protocolo vai também permitir que os nossos profissionais tenham contacto presencial com colegas de uma especialidade que não temos na nossa “carteira” de serviços, ficando assim mais aptos para conferir uma resposta muito mais rápida e adequada às necessidades dos doentes, que se complementa com a aquisição de competências, nesta área».

Foi assim dado mais um passo para o reforço da política estratégica de afiliações do CHLN, iniciada em 2014, e que tem como base apoiar instituições com menor capacidade de resposta e diferenciação e de zonas mais carenciadas, no sentido de consolidar os princípios da prestação de cuidados de saúde ao cidadão, atempadamente, com maior proximidade e maior acessibilidade. Cumprimos assim cada vez mais o alcance da nossa missão pública e contribuímos também desta forma para um SNS mais forte!